José Carlos Peres é o novo presidente do Santos Futeol Clube. Ele venceu a eleição com 1851 e vai dirigir o clube, ao lado do vice Orlando Rollo, no triênio 2018-2020. Andres Rueda garantiu o segundo lugar, com 1661, empatado com Modesto Roma com 1.661. Nabil Khaznadar acabou em último com 495 votos.

Nascido em Monte Azul Paulista, São Paulo, em 17 de julho de 1948, foi por 36 anos um bem-sucedido executivo atuando no mercado financeiro. Ao se aposentar, resolveu unir duas paixões: sua capacidade administrativa e a eterna paixão pelo Santos Futebol Clube.

Em 2001, criou a ONG Santos Vivo, a fim de reerguer o clube nos cenários nacional e internacional, aglutinando empresários do mercado brasileiro. Foi eleito conselheiro do Santos FC nos biênios 2000/2001, 2004/2005, 2006/2007 e 2008/2009.

Em 2000, como conselheiro do Santos FC, ergueu corajosamente uma bandeira, criando e liderando um projeto pela unificação dos títulos brasileiros a partir de 1959. Lutou por cerca de dez anos consecutivos, sem nenhuma ajuda financeira, conseguindo adesão formal de Santos, Palmeiras, Fluminense, Botafogo, Cruzeiro e Bahia, todos campeões nacionais com títulos conquistados de 1959 a 1970. Ao final de 2008, trouxe para o projeto o brilhante jornalista Odir Cunha para compor o importante trabalho de pesquisa, mesmo ano em que recebeu apoio de Edson Arantes do Nascimento, o Rei Pelé. Em seguida, o Dr. João Havelange também cerrou fileiras em torno do projeto. Finalmente, em 10 de novembro de 2010, conseguiu entregar o dossiê e um vídeo contendo preciosos depoimentos a favor da causa ao presidente da CBF. Em 15 de dezembro de 2010, recebeu a comunicação do Dr. Ricardo Terra Teixeira afirmando que o projeto estava aprovado pelos vários departamentos da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), portanto estava decidido a atender ao pleito.

A cerimônia de oficialização ocorreu no Itanhangá Golf Club em 22 de dezembro de 2010, com a presença da imprensa e das autoridades convidadas, em especial Pelé, representando todos os atletas da época. Finalmente, o sonho transformou-se em realidade e os 6 títulos brasileiros do Santos FC no período, por cerca de 30 anos injustamente desprezados pela CBD / CBF, foram oficializados.

Criou a subsede do Santos FC na capital, exercendo a função de superintendente do clube de 2004 a 2010.

Foi também diretor da Federação Paulista de Futebol de 2005 a 2010.

Em 2006, trouxe para o Santos uma jóia rara ainda com 9 anos de idade, o craque Gabriel (Gabigol), hoje com multa estimada em 50 milhões de euros, sem nenhum custo ao clube.

De uma iniciativa sua surgiu a empresa G4 Aliança Paulista, que reúne os quatro maiores times do Estado: Santos, São Paulo, Palmeiras e Corinthians, que trouxe muitas vantagens aos clubes, como, por exemplo, os contratos de patrocínio com Coca-Cola e Brahma, entre outros.