Continuando a série de matérias sobre o vasto dossiê apontando décadas de denúncias da Santa Casa de Santos, vamos hoje abordar como as chamadas “Forças Vivas da Cidade” usufruem do vasto patrimônio do hospital sem “quase nada” dar em troca.

A Família Mussi, liderada pelo “empreendedor” Lupércio Mussi e seu filho Claudio, é uma dessas forças vivas. Mussi possuí várias rádios na Região, trouxe a tv regional para cá com a TV Litoral (hoje Santa Cecília TV) e ainda é um dos acionistas minoritários da Prodesan, empresa de capital misto que hoje é um cabidão de emprego do Poder Público.

Onde entra a Santa Casa na vida dos Mussi? Explicaremos!

Na foto, José Geraldo Gomes Barbosa (tio do prefeito Paulo Alexandre, conselheiro opositor a Ariovaldo Feliciano e parceiro dos Mussis em diversas entidades) e Lupércio Mussi

Primeira rádio dos Mussi, a Litoral FM foi ao ar em 13 de fevereiro de 1987. É uma rádio já com bastante história na Baixada Santista. E sua antena de distribuição principal fica no Morro do José Menino, perto de outras rádios e televisões locais. O ponto é estratégico pois abrange facilmente toda a cidade e São Vicente com o sinal. O terreno onde ficam essas antenas é de propriedade da Santa Casa de Santos.

E, pelo menos até o início de 2016, os Mussis não pagavam absolutamente nada à Santa Casa de aluguel. Isso mesmo, fora alguns anúncios de prestação de serviço do hospital, os Mussis renovavam seus contratos graciosos de aluguel usando o “canhão da Litoral FM e do Jornal Litoral, o mais antigo radiojornal do Litoral Paulista” para “facilitar” esses “acordos”.

Mas, com o advento da nova gestão, a conversa mudou e agora, desde 2016, a Família Mussi dá sua contribuição mensal de cerca de R$ 4 mil para o hospital. A cobrança colocou os Mussi em rota de colisão com Ariovaldo Feliciano. Principalmente, Claudio Mussi, que hoje pilota as rádios da família. Afinal, toda a Baixada sabe como é difícil tirar um “cafezinho” do bolso dos Mussis, e da dificuldade deles em manter acordos com comunicadores e mesmo direitos trabalhistas diversos.


Claudio Mussi diretor da Litoral FM e do Grupo Mussi de Comunicação

O ódio é tanto que mesmo após o vice provedor Luiz Simões Polaco Filho ter comparecido dias antes, no fim de agosto, no concorrente Jornal da Manhã da Rádio Jovem Pan, apresentado por Paulo Schiff (hoje desafeto dos Mussis), para fazer as denúncias do dossiê assinado por um ex-provedor morto há 25 anos, ele foi “convidado” ao Jornal da Litoral para falar do tema com o radialista Roberto César no dia 4 de setembro. Confira a íntegra da reportagem abaixo:

Assistindo a íntegra é possível notarmos que Polaco agradece pelo menos duas vezes o convite da Família Mussi para ir ao programa. Depois em contato comigo por whatsapp Polaco disse ter sido convidado apenas pelo Roberto César.

O radialista aliás, mostrou ser profundo conhecedor de todo o dossiê. Pelo menos três vezes no programa ele traduz o que o confuso Polaco tenta dizer, mostrando que estava bem “instrumentalizado” sobre tudo. Prova disso é que Polaco respondeu todas as vezes a César: “Você entendeu muito bem”.

Veja abaixo meu questionamento a Polaco sobre o tema e sua resposta:

Blog Santos em OFF – É verdade que o Lupércio Mussi e o Claudio Mussi lhe ligaram convidando a ir na Rádio Litoral? O senhor tem conhecimento dos contratos envolvendo terrenos da Santa Casa e as empresas Mussi?

Luiz Simões Polaco Filho – O convite que eu recebi para participar do programa da Radio Litoral, partiu do digno condutor do programa sr. Roberto Cesar. Não nego, porém, que goze da relação de amizade com o Dr. Lupércio Mussi, e há muitos anos, sendo certo, outrossim, que quando da renovação do contrato de locação de “pequena área” de terreno no morro do Itararé de propriedade da irmandade, para a Rádio Litoral, eu participei de sua elaboração, mas, com independência e imparcialidade.

Parece que os Mussis, e outras “forças vivas” da Cidade estão “por trás” das denúncias de Polaco contra a Santa Casa. Ou será que estão vendo a oportunidade de usar “o bom velhinho” para prejudicar aqueles que fizeram pela primeira vez os que se utilizam da Santa Casa dar uma contrapartida ao hospital?

Uma vergonha usar propriedade da Santa Casa e não contribuir com o hospital em nada.

Uma secretária do Plano de Saúde mandou provas ao blog de que em 31 de agosto o Plano recebeu tabela de preços e proposta para anunciar na Litoral FM, e que não fez porque o presidente Paulo Wiazowisk achou desnecessário o patrocínio. A recusa teria motivado o convite a Polaco, segundo essa secretária cujo nome vamos manter em anonimato a fim de preservar os bons funcionários da Santa Casa de Santos.

Vale lembrar que a concessão de rádio e TV são públicas. Os seus proprietários são apenas permissionários. Será que por isso os deputados federais da Região não saem dos programas da Litoral FM? Será que por isso a rádio criou o programa “Hora Conservadora” para agradar ao presidente Jair Bolsonaro e seus aliados? Será por isso que a rádio excluiu o comentarista Evaldo Stanislau (PCdoB) do Jornal Litoral? Além de usar o hospital, a rádio não é plural. Algo vital em uma concessão pública dar voz a todos os lados. Ou o público virou partidário? Triste e lamentável ver a partidarização das coisas públicas, seja pela esquerda ou pela direita, isso está errado.

Após a lavada de 30 a 0 tomada por Polaco no Conselho da Santa Casa com esse dossiê apócrifo, eu teria vergonha de ter dado espaço a esse senhor que precisa urgentemente ser avaliado por especialistas em psiquiatria. E essa opinião não é minha, mas sim de boa parte dos 30 membros do Conselho da Santa Casa de Santos.

Até TVCom influencia na Santa Casa
Falando ainda das “forças vivas santistas”, o jornalista Paulo Schiff “Polacou” de vez e virou seu canhão para cima de Ariovaldo Feliciano e Augusto Capodicasa no programa Jornal da Manhã, da Rádio Jovem Pan desta quinta (17), dando razão a Polaco e dizendo que a administração da Santa Casa é “nebulosa”. Este blog não nutre de nenhuma amizade ou simpatia por esses dois senhores que juntos dirigem o hospital. Muito menos por Schiff. Mas é óbvio que o jornalista se aproximou de Polaco buscando benefícios na política da Santa Casa (onde é irmão e tentou ser ser provedor ou vice e não conseguiu) e do Santos FC (onde se candidatou duas vezes a presidente e tomou um baile de Marcelo Teixeira nas urnas). Além disso, importante o público leitor e ouvinte saber que Schiff foi presidente da TV Com Santos e deixou uma administração cheia de dívidas, sendo sucedido por Augusto Capodicasa, que até hoje dirige a emissora. O ranço da política da TVCom é claro nos comentários de Schiff, que usa de amizade para tentar viabilizar negócios em todos os lugares, inclusive na Santa Casa.

Jornalista deve ser isento. Meu único interesse na Santa Casa é denunciar esses “interesseiros” que dilapidam o patrimônio do hospital por ações politiqueiras.

Neste dia do Médico (18 de outubro) parabenizo todos os médicos de Santos, em especial os da Santa Casa. Mas somente os que se dedicam para o hospital e não os que usufruem dele para benefício próprio, causando prejuízos à Santa Casa e seus pacientes. Estamos apurando denuncias gravíssimas nesse sentido e em breve vamos trazer luz a atos de alguns médicos que não honram tão linda profissão.

Em breve mais notícias do hospital mais antigo do país.