Coluna “Nos Bastidores do Santos FC”- 18/01/2019

Na Coluna dessa semana, você vai saber que existe um movimento querendo deixar de pagar a manutenção das cadeiras cativas pelo período em que o clube vai jogar na Capital; que famoso jornalista foi demitido pela atual administração; e as mudanças na venda de ingressos.

vila-belmiro-Cópia-600x261

Preço da ausência

Capitaneado por três conselheiros do clube, um abaixo-assinado circula pela Vila Belmiro e deve ser, em breve, protocolado junto ao Conselho Deliberativo do Santos para providências . Em função dos jogos do Peixe passarem para o Pacaembu, por 60 dias, o documento solicita o não pagamento pelos mesmos dois meses da manutenção das cadeiras cativas no estádio santista. São quatro mil cativas. O clube alega que existem obras pendentes e, por isso, a transferência para Capital. Já, por outro lado, existe a versão que as obras foram paralisadas pela administração.

Duas mensalidades

Os associados , que possuem cadeira na Vila, pagam duas mensalidades; uma de sócio e outra para manutenção da cativa. O abaixo-assinado é fundamentado em que todos os anos as reformas são realizadas no período do final de ano, quando há o recesso. Eles argumentam que as obras estavam licitadas, orçadas e autorizadas e com datas de início programadas. Tudo foi cancelado e refeito com datas programadas para o período em que os campeonatos começaram.

Decisão para o Conselho

Os conselheiros alegam que a competência para fixar valores pagos pelos associados a titulo de contribuição compete ao Conselho Deliberativo e que cabe a ele também isentar as cobranças de manutenção de cadeiras neste período.

Eu ‘estava’ com vocês

O jornalista Douglas Gonçalves, apresentador do Programa Hora Geral, na TV Ilha do Sol, trabalhou na campanha para eleição de Peres e Rollo para presidência e vice do Santos FC. Atualmente, era cerimonialista no Alvinegro e o locutor oficial nos jogos do Peixe. Não teve seu contrato, que foi de um ano, renovado e deixou o Santos.

douglas

Eu ‘estava’ com vocês 2

Em contato com a Coluna, Gonçalves confirmou a informação. “ O Frazão, gerente de Marketing e Comunicação que não é daqui e, sim, do Rio de Janeiro, disse que o clube está passando por momentos difíceis e com algumas reformulações, por isso, algumas pessoas estão sendo dispensadas. E ainda disse: ‘Isso pode acontecer até comigo!’ “.

Justificou

O conselheiro Décio Couto Clemente entrou em contato com a Coluna para esclarecer sua escolha para a composição da Comissão de Inquérito e Sindicância. “Referente ao comentário sobre minhas atividades como empresário, eu parei, em 2006, quando fui Gestor no Jabaquara. Observei que os presidentes de clubes viram uma maneira de ganho extra com uma parceria com um empresário de confiança”, afirmou. Ele citou ainda seus 30 anos na Polícia Civil e ainda seis anos no Marketing do Santos FC.

Mudanças nos ingressos

Os torcedores associados estão reclamando das mudanças na aquisição de ingressos para as cativas, cadeiras e camarotes e arquibancadas. Para o jogo contra a Ferroviária, sábado, quem quiser adquirir o bilhete, já precisa pagar na hora, pelo cartão de crédito. Antes, você reservava e o valor vinha na fatura do mês seguinte do Sócio-Rei.

Explicação

O executivo de Marketing do Santos, Marcelo Frazão, sabe das reclamações, mas destacou que é uma mudança de cultura. O Santos era o único clube grande que “financiava” ingressos por boleto. E agora passa a seguir padrões normais de mercado. Só o clube perdia com a prática anterior descasando fluxo de caixa e, pior, com enorme inadimplência”, disse. Frazão lembrou que a iniciativa é “dura, mas necessária. Um hora o clube teria que ter coragem para enfrentar essa questão”.

Saídas

A Comissão do Estatuto do Conselho Deliberativo do Santos FC, que está desenvolvendo um novo estatuto para o clube junto com dois escritórios de advocacias, sofreu duas novas baixas. Após o conselheiro efetivo e presidente da Comissão Celso Sampaio Lopes renunciar e ser substituído pelo conselheiro eleito Rodrigo Lyra, mais dois membros saíram da Comissão: O relator e conselheiro efetivo Vidal Sion Neto e o conselheiro eleito e desembargador Oswaldo Magalhães.

img_20180923_164707_3787186805462940506533.jpg

Razões

Vidal renunciou pois as atividades estavam atrapalhando sua profissão na Petrobras. Experiente, Vidal já presidiu essa comissão no passado e o Internacional de Regatas de Santos. Já Magalhães terá que se afastar devido à nova normativa do Conselho Nacional de justiça que proíbe que desembargadores atuem em comissões e cargos em clubes além dos de conselheiros.

Novos nomes

Ainda não estão definidos os novos nomes. Marcelo Teixeira quer colocar o conselheiro eleito e advogado Marcus Vinicius Lourenço Gomes na Comissão. Experiente, este conselheiro é um dos mais renomados advogados trabalhistas da Cidade, tendo em seus clientes as empresas de Teixeira e mesmo o Santos FC no passado. Teixeira aposta no entrosamento dele com Rodrigo Lyra. Ambos foram diretores da OAB/Santos..

Prazo

Outro assunto que está revoltando conselheiros graduados é o choro eterno do presidente José Carlos Peres. Em entrevista à Folha disse ter sido surpreso por uma ação que debitou automaticamente recursos da conta do clube em uma reclamação trabalhista do ex-treinador de base, Lino. Segundo ele, o processo correu à revelia. Ele só não explicou que a decisão processual final saiu em 2018 (em sua gestão) e seus advogados trabalhistas não se manifestaram no processo, cujo juiz concordou com os valores propostos pelos advogados do Santos à época que cuidaram do processo antes, a fim de dizer como iriam parcelar e pagar a quantia, ou mesmo dar garantias, algo básico em um processo.

Expulsão

Devido a essa ação de Lino, conselheiros estudam entrar com requerimento na CIS pedindo a eliminação do quadro associativo do atual advogado trabalhista do clube, Marcelo Pagliuso, que perdeu o prazo. Pagliuso é conselheiro eleito na chapa de Peres e tem um cargo remunerado.

Cansado

A interlocutores, Orlando Rollo tem afirmado estar cansado de conversar com emissários do presidente do Conselho, Marcelo Teixeira, pedindo que ele renuncie ao cargo. Rollo diz “não entender” as razões de tanta insistência. Mas, conselheiros experientes acreditam que, se Rollo renunciar, outro processo de impeachment pode aparecer em breve.

Revolta

Profissionais do Marketing do Santos estão bastante chateados com as entrevistas do presidente José Carlos Peres. Afirmam que, com o presidente dizendo que o clube está quebrado, é palco de corrupção e está inadministrável, fica difícil conquistar valores razoáveis de mercado nas propriedades do clube. Afinal, patrocinador quer associar sua marca com equipes campeãs e exemplos dentro e fora de campo.

Pequeno ?

Torcedores se revoltaram em grupos de whats app com a entrevista dada por Peres a TV Gazeta no último domingo. Peres prometeu dois reforços para terça passada, entregou apenas um que já estava anunciado. Além disso, disse se sentir pequeno ao lado de tantos craques no programa. Entre as personalidades presentes estavam Vampeta e Chico Lang, bandeiras corintianas.

A conferir.

1 Comentário

  1. Prezado Sr. Glauco Braga

    Ao tomar conhecimento da Coluna “Nos Bastidores do Santos FC, de 18/01/2019, mais especificamente dos títulos “Prazo” e “Expulsão”, cabe-me deixar aqui patenteado meu repúdio e indignação à matéria lançada neste blog. Primeiro, porque devo esclarecer a quem quer que seja e, principalmente aos sócios e conselheiros do Santos Futebol Clube, que INEXISTIU a tal Revelia tão apregoada pela direção do SFC, nos autos do processo nº 0000401-03.2010.5.02.0443, em trâmite perante a 3ª VT/Santos, em que são partes: SFC x Joselino Martins de Jesus (Lino), ou seja, NÃO SE PERDEU QUALQUER PRAZO. Esclareço, que na fase de Execução, apresentou o Autor os cálculos de liquidação, no importe de R$ 1.632.364,97 (Um milhão, seiscentos e trinta e dois mil, trezentos e sessenta e quatro reais e noventa e sete centavos), os quais foram, de plano, IMPUGNADOS, ocasião em que apresentamos o valor de R$ 1.038.078,00 (Um milhão e trinta e oito mil e setenta e oito reais). Nossos cálculos, além de corretos, até porque estavam em consonância com o r. julgado, foram homologados em razão da CONCORDÂNCIA da parte contrária. Assim sendo, durante o período de 23/10 a 30/10/2018 (e-mails em meu poder), iniciamos as tratativas para composição amigável, tendo-se em vista que o mm. Juízo já havia procedido penhora on-line sobre as contas do clube e havia bloqueado a importância de R$ 250.000,00 além do valor aproximado de R$ 50.000,00 a título de depósitos recursais. Neste meio tempo, procedera-se a penhora do saldo restante junto às contas do SFC (BACENJUD), deixando o Autor de querer “acordo parcelado”, vez que tinha nos autos o valor total de seu crédito. Portanto, preclaro sr. Glauco Braga, não se tratava em dar garantias, pois, o valor concernente ao crédito do Autor da ação já estava penhorado, impedindo-nos, inclusive, em opor embargos à execução, vez que o valor homologado nos autos era aquele apontado pelo Santos Futebol Clube. Peticionamos, ainda, em 06/11/2018, requerendo o parcelamento, mas fora indeferido, vez que o referido parcelamento previsto pelo artigo 916 do novo CPC não se aplica ao CUMPRIMENTO DE SENTENÇA, hipótese dos autos, conforme reza expressamente o §7º do mesmo artigo.
    Att.
    MarceLLo Pagliuso

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*