Economizar tempo e dinheiro é o desejo de muitos brasileiros diante da atual crise econômica e da rotina sobrecarregada, e um dos hábitos que evidencia essa necessidade é pesquisar boas opções de preço de medicamentos. Com o objetivo de atender a essa demanda, o aplicativo da Farmaki lista farmácias do Rio e todo o Brasil, dando oportunidade ao consumidor de comparar preço, valor do frete e tempo de entrega.

É possível encontrar o mesmo produto com uma diferença de 30% entre o preço mais alto e o mais baixo. A variação maior já registrada foi de 80%. O aplicativo está disponível gratuitamente para Android e IOS. É possível acessar também pelo site farmaki.com.br. Não há necessidade de login e senha.

Além dos benefícios ao consumidor, a plataforma também é um estímulo ao varejo farmacêutico de bairro, ainda pouco adaptado às vendas virtuais. Os estabelecimentos da Região Metropolitana do Rio de Janeiro também são aceitos na plataforma.

Dar dinamismo e praticidade às pessoas é a meta por Felipe Chaves, 39, CEO e fundador da startup. Com passagens pelo marketing de multinacionais de bens de consumo e farmacêutica, ele observava esse esforço em sua própria família: “A ideia surgiu ao observar a minha mãe ligando para as farmácias e consultando disponibilidade e valores dos medicamentos para a minha avó, que tem Mal de Parkinson. Com um gasto mensal de aproximadamente mil reais, a pesquisa permitia que ela não só encontrasse todos os itens do tratamento, mas também reduzia significativamente a despesa. No entanto, ela dedicava tempo demais com uma tarefa que poderia ser mais simples e eficiente.”, revelou Felipe. Em média, o tempo de uso é de seis minutos.

Acelerações

A atuação fez com que a Farmaki fosse selecionada para participar de duas acelerações: a Inovativa Brasil, programa realizado pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços e pelo Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), e o Startup Rio, de responsabilidade da Secretaria Estadual de Ciência e Tecnologia e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio de Janeiro (FAPERJ).

A conferir